Notícias


Publicado em:
5
12/2018

Slime caseiro pode ser prejudicial à saúde das crianças

Proteste alerta que o brinquedo, conhecido também como “geleca”, pode causar alergias e até queimaduras.



Metatags: Slime, Saúde, Segurança, Proteste, Abrin
Divulgação

A Associação de Defesa do Consumidor - Proteste alerta os pais sobre os riscos oferecidos pelo slime feito em casa – brinquedo gelatinoso que virou febre entre as crianças de todas as idades. Embora possam comprar a “geleca” pronta, elas gostam mesmo é de fabricá-la via tutoriais na Internet, o que pode ser perigoso.

Segundo o órgão, o risco é oferecido pelos ingredientes das variadas receitas, que misturam produtos com substâncias químicas que, juntas, podem ser severamente prejudiciais. A maioria dessas receitas inclui bórax (borato de sódio) e água boricada, além de cola branca, que é usada como base da “geleca”.

O bórax é a matéria-prima de alguns produtos de limpeza, sabão em pó para máquina de lavar, inseticidas, entre outros. A Anvisa avalia esse produto na classe toxicológica II, ou seja, altamente tóxico.

A água boricada, muito usada no tratamento de conjuntivite, é uma solução composta de ácido bórico. Este produto contém o mesmo elemento presente no bórax, porém, oferece menos riscos por ser diluído em água.

Outros ingredientes utilizados no slime caseiro, como o bicarbonato de sódio, espuma de barbear, amaciantes de roupas e detergentes, também podem provocar algum tipo de problema, já que, combinados, causam irritações em peles sensíveis, principalmente em crianças.

Sendo assim, o Proteste conclui que a maioria dos ingredientes usados no slime caseiro é potencialmente nociva. Os pais devem buscar entre as várias opções de “gelecas’” industrializadas disponíveis no mercado, prontas para a brincadeira e com o selo do Inmetro - ou seja, testadas e aprovadas, sem riscos à segurança às crianças.

Fique atento:
O boráx, por ser uma substância alcalina (com pH alto), pode causar:
-danos a camada de gordura protetora da pele,
-lesões parecidas com feridas vermelhas que coçam e ardem
-dermatite de contato (reação semelhante a uma queimadura)
-descamação.
No caso das crianças, o contato frequente com o produto, pode provocar:
-cólicas estomacais, vômitos, diarreia e irritação nos olhos.

Fonte: Primeira Página, com informações do Proteste


Últimas notícias

Serasa Experian alerta que 40% dos sites brasileiros não estão seguros

Criminosos aproveitam a data para roubar dados e realizar fraudes. Serasa lista dicas para os lojistas estarem atentos ao assunto.
Leia Mais

Ri Happy inaugura loja conceito em Ribeirão Preto

A ideia é fazer o próprio público divulgar a marca com fotos nas redes sociais.
Leia Mais

Consumidores recorrem a avaliações on-line para tomar decisões de compra

Coordenador de digital business da FGV afirma que comentários em ambientes digitais são a segunda fonte mais confiável de informações sobre produtos.
Leia Mais