Mercado

A cada brinquedo vendido, fábrica doa outro para uma criança que não pode comprar

A cada brinquedo vendido, fábrica doa outro para uma criança que não pode comprar

Em apenas quatro meses de operação, a empresa vendeu cerca de 120 bonecas Soli e já realizou três doações, que somam a entrega de 90 unidades.

 

 

A Ciranda de Soli (apelido de Ciranda da Solidariedade), o mais novo empreendimento social brasileiro, tem comprovado que doar é um bom negócio. A empresa nasceu no Vale do Aço (MG), no final de 2018, e já vem realizando as primeiras doações.

Segundo as fundadoras da fábrica de brinquedos, Fabiana Schimitz e Edlayne de Paula, o modelo de negócios tem como base o princípio “One for one”, criado pelo norte-americano Blake Mycoskie. Para cada brinquedo vendido, outro é doado a uma criança que não pode comprar. “A Ciranda de Soli é um empreendimento social por se tratar de um negócio que tem fins de lucro e, ao mesmo tempo, busca contribuir para o desenvolvimento da sociedade. Todos devem ganhar”, explicam.

A Ciranda de Soli também abrange os fatores ambiental e econômico. “Trabalhamos com refugo de confecção em nossa produção e envolvemos pessoas que precisam de renda na fabricação dos brinquedos. Assim, contemplamos o tripé da sustentabilidade”, esclarece Edlayne de Paula.

O primeiro brinquedo confeccionado pela Ciranda é a boneca Soli, criada pela artista plástica, Adriane Lima, também parceira do projeto. “Como são feitas com utilização de retalhos, elas são exclusivas e com edições limitadas”, salienta Fabiana Schimitz.

Em apenas quatro meses de operação, a empresa vendeu cerca de 120 bonecas Soli e já realizou três doações, que somam a entrega de 90 unidades. “Estamos programando a quarta doação”, comemoram as sócias. Segundo as fundadoras, a Ciranda de Soli possui alguns critérios para eleger as entidades a serem beneficiadas.

“Normalmente, damos prioridade àquelas que abrigam crianças em situação de vulnerabilidade social, encaminhadas pelo Conselho Tutelar e/ou pelo Juiz da Vara da Infância e Juventude. Além disso, buscamos informações sobre a idoneidade das entidades”, explica Edlayne.

Sem sede própria e nenhuma máquina de costurar, o empreendimento tem desafiado os modelos tradicionais de negócios, funcionando em casas de artesãs ou entidades que formam costureiras, por exemplo. As doações são feitas em lotes de 30 brinquedos de cada vez, sendo cada cliente avisado e convidado a participar da doação do par da sua boneca.

O empreendimento conta com o apoio de diversas pessoas e empresas da região para começar a operar. “Foram necessárias muitas mãos para fazer essa roda girar. Além disso, o apoio de nossos clientes e parceiros tem sido fundamental. Já recebemos encomendas de outros estados e até de outros países, como Estados Unidos, Canadá, França, Inglaterra, Irlanda e Chile. Estamos muito felizes com esse movimento”, comemora Fabiana Schimitz.

Como participar

Há várias formas de participar da Ciranda, seja adquirindo um produto, doando retalhos, serviços, equipamentos ou insumos. Os produtos da Ciranda de Soli podem ser adquiridos pelas redes:

Instagram/@cirandadesoli e Facebook/cirandadesolioficial

 

Leia também: Musical “O Show da Luna” volta ao teatro repleto de magia e diversão

Leia também: Sesc São Paulo apresenta programação na Semana Mundial do Brincar

 

Fonte: Primeira Página.

 

Redes Sociais